quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Nós

gente desculpa a imagem ruim.




Dentro do peito tem que existir um querer, que as vezes dói, parece bandido, traiçoeiro que rouba os pensamentos deixando as prioridades do dia de lado. Se relacionar faz parte, é necessário.

O certo é esperar o outro amadurecer, respeitar o tempo dele. Todo dia dedicação, foco, inovação.

O que é meu me pertencerá sem posses, estará apenas ali perto. 

Nós.

Eu de tão gente boa, não forço o tempo, sei que tudo que faço fica pra sempre, deixo fluir - Deus agi.

Ele não liga pra minhas viagens sem roteiro. Não me julga quando invento coisas coloridas ou quando quebro tudo, sua raiva não passa dos olhos.  Me aperta até eu duvidar que eu é que sou a grudenta.

Gosta de sair obstinado de liberdade, mas preso. Sempre está lá, quando o procuro. 

Amo essa liberdade de não querer voar.

Tão (d)ele.

Nenhum comentário:

Postar um comentário