quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Meras palavras

Quando o mundo desmorona não tem jeito, o jeito é chorar e chorar, deixar aquilo se esvair até quando a fonte secar. 

Ás vezes, esse mundo cabe nas mãos de qualquer um, mas é grande no peito de quem o carrega. É onde tira as forças, as ideias, alguma coisa boa que movimenta as pernas e faz com as mãos o aperto da conquista. Um fôlego que torna os dias comuns em degraus, pedacinhos que se encaixam perfeitos aos olhos do construtor.

O jeito é chorar até que algo estale de novo aqui dentro. 'Eu to quebrada, mas viva.'



********************************************************************************


Quem vive solitária, acostumada com os olhos imprecisos de quem a cerca: o mundo funciona à volta e sem toques no meu mundinho, quando alguma criatura penetra essa barreira invisível, muitas coisas quebram...

Descobri um amor assim: capaz de mostrar que até eu preciso de amparo; que possa ser vista. Não foi fácil. Apenas minha mãe mesmo aos gritos de vez em quando, entendia que era amor e que se fosse outro, fosse de homem, do tipo de mão gelada e frio na barriga. Aos amigos é algo que compartilho e existe a troca, mas nada tão forte com o que vi e presenciei.

O perdão acontecia mesmo antes de me perdoar. E não sei mais o que é amar. 



*********************************************************************************


Eu não estou sozinha agora, meu mundo explodiu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário