quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Ponto de engatamento


Torço pra estar errada na maioria das vezes, onde o risco é a ignorância pra ser feliz. Um monte de equívocos, talvez. A maior causa deve ser minha vontade quase turva, que construiu pilares de cimento, sem tons e alegoria. Uma estrutura vista a olhos nus, sem muita experiência e vestimentas à prova de fogo deve ser usados para aproximação. Quem vê às vezes não percebi, acham um caso a parte e comum, mas tem outros que avistam a centenas de quilômetros pontinhos referente às pontas dos dedos, de quem passou e não conseguiu derrubar. À espera do outro ser estranho que possa completar a obra abstrata que começaram e quem: Não sei. Não sou o fim dos mistérios, da procura, nem estou nos ensaios da vida. Alguém que tenta ser parecido com luzes do céu, sagaz e genuinamento camuflado, a fim de que os outros não sumam e consigam colocar a palma da mão, e, finalmente: O Fim. Sair desse passo que me deixa atrás da minha libertação e seguir pro fato-alguma-coisa-volitiva.




Nenhum comentário:

Postar um comentário