quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Sobre homens de verdade

Do mesmo jeito, mas não igual. Bizarro, não?



Achei interessante quando você se mostrou único, com essa capacidade de estar amando. Que alegou que sou a última de uma vaidade possível, que é ter homens de verdade por perto, sendo uma escolha mais ou menos deles. Eu ri de você e não foi pouco.

Estive sem você; só para dar ênfase: Antes, durante e depois.

A vida real sempre fez convites mais atraentes. E eu fui, participei da vida. Mas voltava sempre como se nunca tivesse tentado outro caminho. Porque isso me fazia diferente e melhor. E me fez maior do que qualquer relação sem desejo recíproco.

Não me interessa seu rumo, a escolha de ser sempre o mesmo. 

Você não interferiu meu dia, não me causa insônia, não penso em você para o próximo passo. 

Você está como estar: Longe. Precisamente em outro país. Estamos geograficamente errados, e isso é saudável. Não aguentaria sua infantilidade exigindo de mim maturidade e isso denota o quanto estamos limitados de qualquer contato que nos salva. 

Estou bem. Sabe aquilo que mencionei sobre a busca, aliás, sobre o que disse: "Eu vivendo no amor. E tu, a busca." Você também procura todos os dias. Quando liga para outros declarando desesperadamente sua saudade. E a pessoa que está ao seu lado parece que não conseguiu causar encontros como tivemos aqui, como você diz "experiência digitada e resumida". 

Algo, você tem que digeri, eu vi alguém maior do que eu. Admiro a forma de pensar, de andar, de falar, do cheiro, das manias; sinto a falta, naturalmente porque não estamos juntos. Posso dizer com firmeza: Achei. E não preciso de você. Não é um descarte, mas é respeito ao que já se enraizou aqui dentro.

Não me entreguei, não me lancei como você achou que fosse, demorou viu! Você ein!? Pensa pequeno, muitíssimo micro. Não me admira o pouco que faz de mim, ao fazer afirmações ilusórias. É preciso me ouvi. Mas não me interessa te convencer. 

Apesar desse meu jeito que parece dizer tudo, sou discreta, pareço óbvio, mas não é assim. Você não entende sobre mim. Não me conhece e nem lamento. Você é frustrado, te falta algo e é nítido quando conta para o mundo suas insatisfações. Você não se encontrou apesar de afirmar isso vez ou outra. Anda com vontade de correr regressivo, ou chegar retardatário, anda espiando os que você acha que vai te salvar disso, você ouvi, apenas ouvi um discurso emocionante para estar bem. Está mentindo pra si.

É hora de parar e se lançar ao que você já tem. E o melhor é a entrega sincera.  Pois você não esteve em nenhum lugar neste vinte sete anos. Uma vez disse com uma profundidade cancerígena que sou superficial, mas você é que é superficial.

Cuide-se.

2 comentários:

  1. Otimo texto, me perdi um pouco na leitura, mas lerei a noite com mais calma. O que e um homem de verdade pra voce? Beijos

    ResponderExcluir
  2. Ser honesto primeiro consigo mesmo, podendo até transparecer desistência, mesmo que ele tenha que desisti e recomeçar pra se organizar. É ser cúmplice. Enfim, é querer mais. Até mesmo fazer uma mudança de tática. Acho que respondi. Beijo!

    ResponderExcluir