terça-feira, 28 de setembro de 2010

Ofício ao Exc. Senhor do Tempo-Mundo

Exc. Senhor do Tempo-Mundo

Lei do desabafo, Lei 0001/2010 art. 1° : O recebedor deve fazer valer as palavras, não ocorrendo isso a penalidade máxima é sequestro, sem queixa de familiares.

Quase me despenco em minha águas cálidas. Foi consequencia, foi medo, foi insegurança. Eu não tinha nada para me agarrar, senti meus pés pálidos, sem sangue, nada de passos firmes. 

Quase sempre um tropeço, um suspiro, um medo, uma alegria, quase sem fôlego. Eu não quero perder isso. 

Amanheço cheia de convicções, aversões de ontem, descongelamento calculado; nada adianta. Não sou tão compreensível, tolerante e me acho um pouco má. E isso se dispersa, some. 

Eu quero, mas estou com meus medinhos quase redondos de Terra. Soar não é meu deslize, nem tampouco as palavras erradas, o que é deslize são minhas tentativas ridículas de coibir algo que eu sempre quis.

Estou entregue, numerosa de mim, pedaços meus ainda se partem, sem cessar, não estou inteira. Preciso estar por perto, perto do que me esfacela.

Estou magra, sangue correndo em segundos. Pareço pequena, insignificante, sem boa dicção. Acho que estou me perdendo, me convencendo que eu não posso mais, não resisto. Eu quero. Eu quero. Eu quero mais você. Sede. Preciso beber.


Por se constituir em medida de inteira justiça, aguarda deferimento.


 É alma, é o corpo, sou eu
Requerente

Nenhum comentário:

Postar um comentário