quarta-feira, 16 de junho de 2010

Discrição

"¡dime de que te alabas y te diré de que careces!"(Ditado Popular) Es decir, mientras más habla una persona de ella misma, es justamente de las cosas que faltan en ella.
Eiling Si
Sabe o amanhã, é outro dia, os medos sumirão ou aumentarão. Outros virão para multiplicar ideias, às vezes nos impulsionam pra cair de vez ou tomar força pra suprimi-lo ou ainda, escalda-los pra beber.
O coração é enganoso a cada dia me convenço de algumas verdades e sinceramente, estão penetrando em mim de forma enraizada. Deve ser aquele ápice da idade, ou a famosa e despercebida mudança de fase.
Minha cabeça é uma e a do outro é outra. Hoje senti vontade de perguntar, ontem nem me lembro mais do que falei, quando a emoção toma conta do corpo, não vale o que se tem de toda uma vida, será?.
Se quisermos somos, se temos nos desfazemos, e se perdemos damos valor, se lucrarmos, com certeza, felizes, e se felizes vem à dúvida, e se estamos não queremos, e se queremos não temos, e se fôssemos não queríamos, e continua e continua....
E quem garante a verdade!?
Os teus amigos são realmente fiéis ou são invejosos? Teu chefe realmente é grato ou não quer que perceba seus direitos? Tu sabes o que há detrás de quem olha pra ti?
Tem gente que afirma que sente; coisa espiritual ou sobrenatural entende?
Euzinha aqui, tomo cuidado nos elogios exagerados, nas coisas que tenho, vigio se não me falta nada, peneirando as conversas. O mundo é perverso, os inocentes é que se cuidem.
Outra vez parei uma pessoa pra tratar de assunto profissional, depois da conversa formal, ele deslizou a mão de meu obro até a cintura! Eita! Quase o C.S.I visualiza o corpo dele. Acho que ele pensou  que sou uma.lascada, sem cérebro e aleijada.
Às vezes a gente mesmo bate aquela inveja de ter o que o outro tem, não minta, ser humano, é o ser. O desejo de ter, de possuir é crucial pra viver bem, é preciso abusar dos cantos dos olhos, apenas pra fazer comparações leves pra desfrutar do que é bom.
Escolhas e escolhas, todos os dias escolhemos, que rumo ir, que roupa usar, às vezes ensaiamos no que vêm, rotina ou diferença. Pra não me perder, me pergunto quem eu sou hoje, assim decido o quero, se sou a mesma ou se sou outra.
Realmente somos normais, estamos cansados, queremos verdades palpáveis, queremos ser felizes, não importa o caminho ou forma que tome, eu sou igual a todo mundo e você?
É melhor dizer a verdade e mentir um pouco, ou mentir pingando a verdade, como omissão, pra ficar bem. Eu sou de carne e osso, no interior tem algo gelado e faz sua dança, que me deixa inquieta, que não me deixa normal, já não estou indo, eu sou a volta ao qual não decola pra estar nas mãos.
Meus pés estão circulares, minhas idas acariciam o que me falta, invadindo por si só o que tenho na minhas voltas, estou aprendendo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário